Balança Comercial 01/2022

8 Fevereiro 2022
/ Boletim de Balança Comercial e Rentabilidade das Exportações

Nota ao Leitor

Os Índices de Preço e Quantum são elaborados a partir de dados básicos da Secretaria de Comércio Exterior − Secex/ME, com valores dos produtos em dólares FOB correntes. Enquanto os índices de preço são calculados segundo Fisher, o quantum é obtido implicitamente, pela deflação da variação do valor e do preço calculados no período. Como a variação anual dos preços, medida pela comparação das médias anuais dos índices mensais, difere daquela indicada pelo índice anual, faz necessário realizar um ajuste nos índices mensais para evitar essa duplicidade de resultados. Esse ajuste impõe que os índices mensais divulgados regularmente tenham que ser corrigidos no início de um novo ano, após o cálculo do índice anual, devendo ser divulgada então a série mensal revista do ano anterior. A metodologia detalhada pode ser encontrada nos Textos para Discussão da Funcex números 121, 133 e 134.  A única alteração realizada após a divulgação desses T.D. está na adoção do ano base de 2018, a partir de junho de 2021.

Os Índice de Termos de Troca, Preço e Quantum e Razão do Quantum são elaborados a partir dos índices de preço e de quantum, ajustando-se a base para média de 2018 = 100.

Em foco

Em dezembro de 2021, o Índice de preços das exportações totais apresentou expressiva elevação (22,6%), na comparação com o mesmo mês de 2020, em função de variações positivas e simultâneas nos preços dos produtos Básicos (19,3%), nos Semimanufaturados (30,8%) e nos Manufaturados (24,0%).

O ano de 2021 fechou com elevação de 29,5% no preço das exportações totais (Tabela 1). Todas as classes de produtos registraram elevação em relação a 2020, com destaque para a elevação nos preços dos Bens Básicos (38,0%).  No ano de 2021 observou-se elevações significativas nos preços das principais commodities exportadas pelo país, o que provocou elevações em setores importantes (Tabela 1), a saber: A Extração de petróleo e gás natural apresentou alta de 60,5%, os Derivados de petróleo biocombustíveis e coque apresentaram elevação de 52,6%, a Extração de minerais metálicos mostrou alta de 60,5% e a Agricultura e pecuária apresentou um aumento de 26,1%. Os preços das commodities aumentaram, em grande parte, devido à maior demanda mundial e mudanças climáticas. Cabe ressaltar que choques de preços de commodities estão entre os maiores riscos para o comércio global em 2022.

O quantum exportado registrou elevação de 8,6% em dezembro, frente ao mesmo mês de 2020. Nesta comparação, ressaltamos a elevação nas quantidades exportadas nos Bens Básicos (10,7%) e nos Semimanufaturados (9,4%). Em 2021, o quantum das exportações totais registrou crescimento de 3,6%, aumento impulsionado pela elevação de Bens Manufaturados (12,8%) e Semimanufaturados (2,0%), visto que os Bens Básicos apresentaram estabilidade no período (Tabela 1).

O Índice de preços das importações encerrou o ano com elevação de 13,2%, na comparação com o Índice de 2020 (Tabela 2). O exame das categorias de uso mostra que o crescimento no Índice de preços das compras brasileiras é explicado pelas elevações observadas em todas as categorias de uso, com exceção dos Bens de capital que apresentaram queda de 1,1% no período.

O Índice quantum da importação total registrou elevação de 22,1% em 2021 (Tabela 2). Os Bens de consumo duráveis, os Combustíveis e os Bens intermediários foram as categorias que registraram as maiores elevações, 44,6, 34,6% e 26,6%, respectivamente. As elevações ocorreram em função da retomada da economia brasileira, quando comparada com o fraco desempenho do ano de 2020, ano na qual a pandemia da COVID-19 teve início.

Em 2021 o país obteve um ganho de 14,7% nos termos de troca, em relação ao ano de 2020. Os maiores ganhos foram nos Setores Produtos de madeira (53,0%), Extração de petróleo e gás natural (24,5%) e no Setor de couros, artefatos de couro calçados e artigos de viagem (20,1%).  Contudo, a trajetória nos últimos dois meses tem sido de queda (Gráfico 1), de modo que o nível registrado em dezembro ficou 2,3% abaixo do alcançado no mesmo mês de 2020 (Tabela 3).

A razão de quantum teve redução de 15,2% no ano (Tabela 3), ainda que alguns setores tenham registrado aumento significativo, como Confecção (32,3%), Pesca e aquicultura (48,1%) e Impressão e reprodução de gravações (93,3%). Como estes setores não apresentam participação significativa, não exerceram influência suficiente para elevar a razão de quantum total no período analisado. Como pode ser visto no Gráfico 1 o Índice mensal mostrou alta volatilidade nos últimos dois anos, com uma recente recuperação, registrando 90,5 pontos, uma elevação de 7,8% na comparação com dezembro de 2020.

Gráfico 1 - Índices de termos de troca e de razão de quantum. Base: média 2018= 100


Fonte: FUNCEX

O Gráfico 2 apresenta a evolução mensal do Índice de demanda externa efetiva e do Índice de valor das importações mundiais. No acumulado até agosto de 2021 as importações mundiais apresentaram elevação de 27,7% e o Índice de demanda externa efetiva registrou elevação mais do que proporcional, 34,5%, na comparação com o acumulado até o oitavo mês de 2020.  Pode-se observar em ambos os índices a recuperação das demandas internacionais, na comparação com 2020, ano no qual a crise sanitária da COVID-19 eclodiu.

Gráfico 2 - Índices de demanda externa efetiva e de valor das importações mundiais


Fonte: FUNCEX

Informações disponíveis até 17/01/2022

Para mais informações, clique em um dos botões abaixo.

©Copyright  |  FUNCEX  |  Todos os direitos reservados